5ª-feira,

29 de maio – O ex-piloto Johnny Servoz-Gavin faleceu há exatos dois anos e o acidente infernal no GP da Espanha de 1970 acima foi motivo suficiente para convencê-lo de desistir da carreira. O francês ainda comparaceu aos treinos na próxima etapa em Mônaco, mas logo após falhar na classificação para a corrida anunciou a sua retirada do esporte. Johnny supreendeu com a franqueza dos seus motivos e admitiu abertamente que estaria com medo de morrer em um acidente como aquele, do qual passou raspando em Jarama. A pergunta de hoje: Quem foram os pilotos envolvidos no acidente mostrado acima?

*

29/5/1963 Ukyo Katayama Nasce em Tokyo no Japão.

Ukyo Katayama debutou na F-1 após vencer o campeonato de Fórmula Nippon com a equipe Larrousse em 1992. Ukyo provou ser um entretenimento no paddock, além de ser um cara muito divertido com o seu comportamento na pista. No ano seguinte ele se juntou a equipe de Ken Tyrrell e passou pelo famoso treinamento de pilotos do tio Ken. A bordo da Tyrrell 022 com motor Yamaha ele conquistou seus primeiros pontos no campeonato mundial de 1994 e chegou próximo ao pódio em GP da Alemanha, mas teve que abandonar a corrida pelo rompimento do cabo do acelerador. Outro destaque foi o incrível acidente na largada do GP de Portugal em 1995. Após abandonar a F-1 ele correu a Le Mans, terminando em 2º em 1999 e em 2002 correu o Rally Dakar. Nos últimos anos ele desenvolveu paixão por alpinismo Big Style, suas maiores realizações foram as escaladas bem sucedidas dos dois picos de 8.000 metros, o Cho Oyu e o Manaslu.

*

Johnny Servoz-Gavin, 2005 29/5/2006, Morre George-Francis Servoz-Gavin.

No seu primeiro Campeonato Mundial de F-1, Johnny Servoz-Garvina largou apenas uma vez pela equipe Matra, no GP de Mônaco em 1967. No ano seguinte ele substituiu ao ferido Jackie Stewart ao volante da Tyrrell Matra-Ford no GP de Mônaco de 1968, onde ele classificou em 2º e liderou a corrida nas primeiras 3 voltas, antes de bater na chicane e quebrar a barra de direção. Seu melhor resultado na F-1 foi um segundo lugar, neste mesmo ano, no GP em Monza. Coroado em 1969 como Campeão Europeu de F-2 e largando ocasionalmente na F-1 com o Matra MS84, seu melhor resultado como piloto de um carro de Fórmula 1 foi um 6º lugar no GP do Canadá. Após assistir a vários acidentes fatais entre seus colegas e amigos, Johnny demonstrou cada vez mais preocupação com os perigos e depois de não se classificar para o GP de Mônaco de 1970, o francês decidiu se retirar. Três anos depois, François Cever, seu substituto na Tyrrell, morreu em um violento acidente em Watkins Glen. Em 1982 Johnny sofreu em seu próprio veleiro o tipo de acidente que ele mais temia. Um vazamento de gás deixou seu veleiro em chamas, causando graves queimaduras no piloto.

Nasceu: 18 de Janeiro de 1942, em Grenoble, França.
Morreu: 29 de Maio de 2006, em Grenoble, França, aos 64 anos de idade.

*

Advertisements

10 Gedanken zu “5ª-feira,

  1. Na foto do Servoz-Gavin, os dois pilotos que se acidentaram foram o Ickx e o Jackie Oliver. Se não me falha a memória, o Ickx foi afastado na corrida seguinte, por causa das queimaduras que sofreu.

    Já o Oliver, saiu ileso e o Servoz-Gavin terminou em quinto. A vitória foi do Stewart, de March.

  2. Mario, pelo que já tinha lido, o Servoz-Gavin decidiu abandonar as corridas em razão de não ter se recuperdo de um acidente que, em 1969, lhe ocasionou problemas em um dos olhos. Um abraço.

  3. Isso mesmo. Jack Oliver e Jacky Ickx.Incrível que, naquela época, os dois saíram vivos. Tinha um vídeo do acidente no youtube uns tempos atrás.

  4. Personagem muito peculiar esse Johnny Servoz-Gavin. Conta-se que ficava lendo romances nos boxes, nos instantes que antecediam às corridas, caso de Monza, em 1968. Notaram na foto o grafismo de seu capacete, muito semelhante ao que Carlos Reutemann adotaria logo em seguida na F-1, inclusive nas cores? Será mera coincidência, ou não?

  5. o Demerval lembrou bem, eu também li algo a respeito, ele sofreu um acidente numa prova de rally, e um galho teria atingido um olho!
    ele teria perdido parte da visão, o q chamam de visão periférica, e em Mônaco isso teria se revelado uma deficiência gritante – e, lógico, com a frequência com que acidentes incendiários aconteciam na época, não pensou duas vezes.

    também me impressionei com a semelhança do capacete dele com o do Reutemann, muito curiosa a coincidência.

  6. Aproveito a questão lançada por ti para perguntar algo que estou curioso. Vendo algumas fotos de um Tyrrel pilotado por Ronnie Peterson, sem a carenagem, e outras fotos dos Ferrari dos anos 1979 e 1980, é assustador o fato de que, se comparados com hoje, os carros daquela época parecem karts superdesenvolvidos. Na foto que vi do Tyrrel de Peterson, ele ficava praticamente exposto…

    Primeiro: quais eram os padrões de segurança para a construção dos carros de fórmula um nos anos 1970 – se é que havia um…

    Segundo: tecnicamente, o que significa „honey comb“? O que era esse material empregado na construção dos F1, e quais suas diferenças para a construção com fibra de carbono?

    Também agradeço a ti pelo pelo fato do blog existir e pela resposta à pergunta sobre o acidente entre Ickx e Bellof. Parabéns!

  7. Não havia nada que obrigasse os desenhistas a pensar na segurança do piloto. Simples assim. O maior progresso neste sentido foram os tanques de borracha com celulas de um tipo de espuma. Isto finalmente conteve as tragédias devido incendios.

    Fibra de carbono também foi um avanço, as como provaram os acidentes de de Angelis, Ratzenberger e Senna na F1 e Marco Capos na F3000, isto não era o suficiente. Só a celula de sobrevivencia impediu outra tragédia no caso do Kubica no Canadá no ano passado.

    O honeycomb era um sanduíche de materiais, constituído de duas superfíces de alumínio coladas e entre elas um Nomex com milimétricos espaços em hexágono. Esta combinção era mais resistente que chapas de alumínio comum.

    Mas até os engenheiros entederem coo aplicar o material, já surgia a fibra de carbono que revolucionou o automobilismo.

  8. O Servoz-Gavin foi o único piloto a pontuar na história da F1 dirigindo um carro tração nas quatro rodas, um Matra, no GP de Mosport em 1969, chegando em 6º lugar

  9. Interessante o assunto e procurei exatamente sobre esse acidente que tive curiosidade e vi a foto. Não sei qual revista mas haviam algumas fotos. As labaredas foram tal que não se via os pilotos direito e depois, muito menos os carros. Oliver saiu do carro e começou logo a se enrolar na grama por causa do fogo em seu macacão. E aí… o Ickx demorou muito a aparecer até q conseguiu sair tendo q enrolar na grama também. Outra fogueira impressionante foi a morte de Siffert q ninguém pôde passar.

Kommentar verfassen

Trage deine Daten unten ein oder klicke ein Icon um dich einzuloggen:

WordPress.com-Logo

Du kommentierst mit Deinem WordPress.com-Konto. Abmelden / Ändern )

Twitter-Bild

Du kommentierst mit Deinem Twitter-Konto. Abmelden / Ändern )

Facebook-Foto

Du kommentierst mit Deinem Facebook-Konto. Abmelden / Ändern )

Google+ Foto

Du kommentierst mit Deinem Google+-Konto. Abmelden / Ändern )

Verbinde mit %s