Domingo,

Feliz aniversário, Max !

Ou nas palavras do grupo Virguloides: „Tá todo mundo aqui só pensando naquilooo…“

*

Mike Beuttler,1973 13/4/1940, Michael Beuttler nasce em Cairo no Egíto.

Mike Beuttler estreou na Formula 1 em 1971 graças ao patrocínio de um grupo de amigos endinheirados. Até 1973 se manteve, pilotando na sua própria equipe com chassis March, mas após o horrível acidente de Roger Williamson em Zandvoort, decidiu se retirar das pistas. Ele acabou se mudando para os EUA, onde faleceu em 1988 perto de Los Angeles em conseqüência de ser HIV positivo.

Nasceu: 13 de abril de 1940 no Cairo, Egíto.
Faleceu: 29 de dezembro de 1988 em Malibu, Los Angeles, EUA, aos 47 anos.

*

13/4/1931, Daniel Sexton Gurney nasce em Port Jefferson, USA.

Depois de competir em Le Mans pela primeira vez em 1958, Dan Gurney trabalhou para ter uma carreira na Fórmula 1. Ele se tornou piloto oficial da equipe de F1 da Ferrari, mas não foi antes de 1962 qe ele venceu sua primeira corrida na categoria pela Porsche no GP da França. Entre 63 e 65, Gurney pilotou pela equipe de Jack Brabham, consistentemente provando-se um bom adversário para Jim Clark e sua Lotus enquanto repetidamente abandonava as corridas por problemas mecânicos. Com o advento dos motores de 3 litros na F1 para 1966 ele iniciou sua própria equipe, a Anglo American Racers, e venceu o GP da Bélgica de 67 no cockpit de um Eagle-Weslake. Sublinhando sua versatilidade, Gurney também venceu em Le Mans no mesmo ano, dividindo seu Ford de 7 litros com o vencedor das 500 Milhas de Indianápolis, A.J. Foyt.

A partir do momento em que a Cosworth estreou seu revolucionário motor DFV, Gurney lutou com o Weslake V12 e no meio do ano de 1968 a equipe de Fórmula 1 foi fechada. Os Eagles de Gurney continuaram vencendo nas corridas em ovais na América do Norte, na CART, até 1981. A AAR retirou-se da CART em 86, mas desfrutou de enorme sucesso com a Toyota na IMSA antes de voltar à CART com time de fábrica da Toyota em 1996. Quando o programa foi encerrado, Gurney passou a desenvolver uma motocicleta e em 2002 anunciou planos de retornar à F1 com um time completamente norte-americano. O plano nunca chegou a se tornar realidade.

*

13/4/1940, Max Rufus Mosley nasce em Londres na Inglaterra.

O mais perto que Max Mosley chegou à Fórmula 1 como piloto foi como companheiro de equipe de Piers Courage na equipe Frank Williams de Fórmula 2 em 1968. Percebendo que seu real talento estava em outro lugar, ele criou em 1969 com Robin Herd, Alan Rees e Graham Coaker a fábrica de carros de corrida March Engineering. Apesar de ter vencido vários campeonatos, o potencial na Fórmula 1 nunca foi propriamente explorado. Jackie Stewart pilotou para a vitória no GP da Espanha de 1970 com o March 701 da equipe de Ken Tyrrell na temporada de estréia da marca. No entanto, a equipe oficial venceu somente duas corridas em toda sua história na F1.

Até que a certo ponto Mosley deve ter percebido que um jeito mais fácil de ganhar dinheiro e tornar-se crescentemente envolvido nas atividades da FOCA como consultor jurídico e membro da Comissão de F1 da FISA, vendendo sua parte na March Engineering. Exerceu liderança no duelo entre a FISA e a FOCA entre 1980-82, que levou ao Pacto de Concórdia, do qual ele foi um dos arquitetos. Após as batalhas políticas cessarem Mosley ficou por três anos fora do esporte até se tornar presidente da Comissão dos Fabricantes na FIA em 1986.

Ao mesmo tempo ele estava envolvido na criação da Simtek Research em 1989, entretanto ele vendeu sua parte na empresa quando tornou-se presidente da FIA (o braço desportivo da FIA) em 1991, vencendo Jean-Marie Balestre por 43 votos a 29. Mosley anunciou que seria capaz de renunciar após um ano no caso de seus méritos não serem reconhecidos e 12 meses depois ele foi reeleito para um mandato de quatro anos. Ele foi reeleito em outubro de 1997 e novamente em 2001 e 2005.

*

13/4/1949, Ricardo Zunino nasce em Buenos Aires na Argentina.

A estréia de Zunino em um Fórmula 1 aconteceu na Aurora Series, um campeonato nacional que acontecia na Inglaterra àquela época, pilotando um McLaren-Corworth M23. Mais tarde naquele ano, uma semana antes da última rodada da Aurora Series, ele voltou ao outro lado do Atlântico e foi a Montreal para o GP do Canadá como um espectador e – num repente absurdo de sorte – acabou substituindo Niki Lauda, que havia decidido, durante os treinos livres, que estava cansado de „correr em círculos“, e se aposentou repentinamente. Zunino foi sortudo o suficiente pois seu empresário Hector Staffa, ex-agente de Carlos Reutemann, foi rápido para colocar seu homem em contato com Bernie Ecclestone. Ele correu para a Brabham em 1979 continuando com a equipe até o meio do ano seguinte, quando foi substituído pelo mexicano Hector Rebaque. Ricardo continuou a pilotar, mas pela Tyrrel nos GPs do Brasil e da Argentina até dar seu lugar a Michele Alboreto. Depois de então ele se retirou das corridas para dedicar-se a administrar um complexo hoteleiro em sua cidade-natal San Juan, aos pés da Cordilheira dos Andes.

Advertisements

5 Gedanken zu “Domingo,

  1. Olá Mário,
    Você saberia dizer se os Flaps tipo Gurney têm esse nome por terem sido criados ou utilizados pelo Dan Gurney?

    Abraço!

  2. Hugo, posso confirmar que os „Gurneys“ provém do próprio. Porém, admito desconhecer a questão histórica de onde e quando estes apetrechos aerodinâmicos foram aplicados pelo Dan pela primeira vez. Alguém sabe?

Kommentar verfassen

Trage deine Daten unten ein oder klicke ein Icon um dich einzuloggen:

WordPress.com-Logo

Du kommentierst mit Deinem WordPress.com-Konto. Abmelden / Ändern )

Twitter-Bild

Du kommentierst mit Deinem Twitter-Konto. Abmelden / Ändern )

Facebook-Foto

Du kommentierst mit Deinem Facebook-Konto. Abmelden / Ändern )

Google+ Foto

Du kommentierst mit Deinem Google+-Konto. Abmelden / Ändern )

Verbinde mit %s