Alonso não vai. Ou vai?

Alonso tem o trunfo na mão  Quem acompanhou este blog sabe que sempre defendi o Alonso contra os críticos auto-eleitos que sugerem um bicampeão mundial de Fórmula 1 possa „desaprender“ a ser um vencedor de um ano para o outro. Conheço o “Nando” desde 1998, quando estreou na Fórmula A no kartismo europeu. Sempre foi atencioso, apesar de fazer cara de mau sempre, e observar a sua ascenção do kart pela Fórmula Nissan espanhola, F3000, à Minardi até a Renault e agora McLaren foi além de interessante.

O jornal francês Le Figaro deu um novo rumo às fofocas que rondam Fernando Alonso e sua tão cogitada saída prematura da McLaren ao anunciar que o espanhol seria o novo diretor de testes da empresa aeronáutica Airbus. De Fato Alonso estava a bordo do primeiro vôo de testes do novo Super-Jumbo A380 em 2005 e agora substitui o até então piloto-chefe Claude Lelaie. Hã??? Vocês já perceberam, né? É o xará e conterrâneo do bicampeão que assume essa posição. O próprio continua criando dúvidas sobre o seu futuro profissional.

Mas do início: O estilo da McLaren é por a própria McLaren acima de tudo. Então o Ron Dennis não conceder estes privilégios ao Alonso era algo de previsível. Mas não é aceitável para (em minha opinião) o melhor e mais completo piloto da atualidade de contribuir com o que ele adquiriu de conhecimentos técnicos para que o outro piloto, este ainda sem a devida experiência, aproveite destas informações para possivelmente derrotá-lo na luta pelo mundial.

Quebras e defeitos na McLaren são coisas do passado

Do outro lado, a F1 é tão competitiva que uma pessoa só não consegue fazer uma diferença enorme assim. Ouço muito que Alonso faz a diferença porque saiu da Renault e ela caiu em desempenho, entrou na McLaren e esta começa a voar. Não é tão simples assim. Fez uma boa escolha, sim, mas não é o responsável principal por estas oscilações das duas equipes. Afinal Michael Schumacher teve que passar por quatro temporadas complicadas até que tudo na Ferrari funcionasse para ele.

Na verdade a McLaren nunca deixou de ser uma equipe de ponta. Mas tinha um problema sério e extenso de controle de qualidade nas ultimas temporadas. De quebra de suspensão ou aerofólio até aos já costumeiros “motores suicidas” da Mercedes, as McLaren eram velozes, mas nas estatísticas não aparecem na ponta porque a falta de confiabilidade impediu resultados. Isto mudou radicalmente para 2007. E isto não é mérito do Alonso, é resultado de aperfeiçoamentos no modo de produzir e testar peças e motores.

Porque então a Renault despencou assim? Tanto o Pat Symmonds como o Mark Smith admitem terem subestimado o impacto aerodinâmico dos pneus Bridgestone no conjunto aerodinâmico. Imaginem isto: O pneu dianteiro da Bridgestone é mais “buchechudo” que os pneus da Michelin e isto já é o suficiente para estragar o resto da aerodinâmica do carro. Isso mostra como é excessiva a importância da aerodinâmica de um carro de F1, como está no limite esta área que consome uma parcela significativa do orçamento de uma equipe de F1 e que é responsável pela impossibilidade de ultrapassagens em curvas de velocidade media a alta.

A Renault não se adaptou bem aos pneus Bridgestone

Na matéria „Porque a “Fórmula Neurose” não faz falta“ eu constatei que ambos os pilotos procurariam conquistar contratualmente o que querem, mas tenho dúvida que um deles sairá da McLaren. Simplesmente porque estas oscilações na performance de uma equipe costumam durar alguns anos, tanto os baixos como os altos. E agora que a performance da McLaren está a nível top, não seria inteligente de deixá-la para se aventurar.

Pelo que venho observando, conversando com pessoal que trabalha no paddock, Hamilton parece resistir qualquer tentação de fora. Talvez até porque o contrato pessoal dele com o tio Ron, fora do que tem como piloto oficial da equipe, não seja tão fácil de terminar. O Alonso ainda está bancando o difícil, está aproveitando pra deixar o Ron Dennis se agitar um pouquinho mais no anzol. Não descarto a possibilidade dos dois não se entenderem e o Alonso optar por outra solução. Mas acho difícil isso acontecer.

Em primeiro lugar o tio Ron fará de tudo para mantê-lo. Como já disse antes: melhor um Alonso incômodo na equipe do que um Alonso no carro de um concorrente. E pelo lado do Alonso, anunciar que deixaria a McLaren no final do ano acabaria com qualquer apoio da equipe. E apesar de confiar 100% em suas próprias habilidades, o espanhol deve estar observando também que a engenharia da Renault se atrapalhou bastante com o desenho do carro desta temporada. Nem mesmo o bicampeão conseguiria vencer com o R27. Outra indicação que Alonso não está realmente no mercado é a BMW ter confirmado Heidfeld e Kubica. 

Os modos de Flávio Briatore não agradaram Alonso

Tem um detalhe importante o porquê ficaria muito surpreso se o Alonso voltasse para a Renault: Flávio Briatore! O italiano é conhecido por suas manipulações, já na época do Schumi o segundo piloto era constantemente sabotado, fez isso com o Fisichella e só parou quando o italiano finalmente assinou um contrato empresarial com o seu chefe. Deu a mesma para Alonso que agora na McLaren: o companheiro de equipe é protegido do chefe!

Chegou a um ponto que o Alonso queria sair da equipe a todo custo, isto foi exatamente um ano atrás, porque sentiu que o Briatore não queria deixá-lo vencer o mundial para ingressar a McLaren como campeão! O desgosto foi tanto que o piloto só falava o absolutamente necessário com o chefão da equipe. E tudo isto já é coisa do passado agora? Ah, meus amigos, aí vocês não conhecem o gênio do “Nando”. Insisto na versão, que o espanhol está usando o canal Renault como ameaça inerente para conseguir o que quer na McLaren. As próximas semanas nos darão mais indicações sobre o assunto. Paciência…

Achou a matéria interessante? Gostou do blog?
Grand Prix Insider foi indicado para o Prêmio “Blogger’s Choice Awards” na categoria “Foreign Languages”. Posso contar com o seu voto também? Pra fazer uma “forçinha” clique aqui. Obrigado!

Matérias relacionadas:

Porque a „Fórmula Neurose“ não faz falta

Revelações do poço das cobras

Acabou? nem começou ainda

Não seria um Almondogate?

Advertisements

3 Gedanken zu “Alonso não vai. Ou vai?

  1. Mário, domingo o Alonso completará 100 GPs na F-1. Se ele ganhar, o que acho um pouco complicado por causa das Ferraris, tu acredita que a Mclaren irá prestar alguma homenagem ao piloto?
    Não sei porque mas acredito que o Kimi será o 1º, o Alonso fica em 2º, uma BMW completa o pódio e o Massa fica em 4º, com o Hamilton em 5º. Dai o clima na Mclaren ficará muito pior, já que a diferença será de apenas 3 pontos e o Hamilton vai ficar muito „magoado“. Acho ainda que a Mclaren ganha os dois campeonatos esse ano e o de pilotos fica com o Alonso.
    E os teus palpites???

  2. Ah, do jeito que são as coisas, vai receber um bolo… e vai enfiar na cara do Lewis. Sempre bem-vindo com os fotógrafos…

    Eu diria que a princípio a pista na Turqia favorece a Ferrari por ter bastante curvas de alta. Acho que temos que esperar pelo menso até o treino livre de sábado. Mas geralmente vou com você, Räikkönen tá sedento e com o carro do jeito que gosta em uma pista onde deve funcionar muito bem. É meu favorito também.

Kommentar verfassen

Trage deine Daten unten ein oder klicke ein Icon um dich einzuloggen:

WordPress.com-Logo

Du kommentierst mit Deinem WordPress.com-Konto. Abmelden / Ändern )

Twitter-Bild

Du kommentierst mit Deinem Twitter-Konto. Abmelden / Ändern )

Facebook-Foto

Du kommentierst mit Deinem Facebook-Konto. Abmelden / Ändern )

Google+ Foto

Du kommentierst mit Deinem Google+-Konto. Abmelden / Ändern )

Verbinde mit %s